Tributos na logística: quais são e como economizar? Aprenda!

Tempo de leitura: 8 minutos

Um empresário consistente dos efeitos dos tributos na logística sabe que essas taxas influenciam diretamente na formação dos preços e nas estratégias das empresas brasileiras. 

Por isso, conhecer cada uma delas é primordial para que seu negócio opere dentro da lei e não corra riscos com multas e juros altíssimos. 

A seguir, você aprenderá quais os impactos dos tributos nas operações logísticas, como eles são calculados e sua importância para o transporte.

Está cansado de emitir suas notas fiscais uma por uma?

Na NFE.io é possível se livrar dessas tarefas repetitivas através de integrações com meios de pagamento, plugins, planilha do excel ou conectando diretamente com a nossa API.

Quer entender como funciona?
Converse com a nossa equipe especializada para livrar a sua empresa da burocracia!
Quero otimizar meu tempo

Parece interessante? 

Continue a leitura e aprenda como administrar os impostos na logística. 

Antes de mais nada, o que é logística tributária?

Podemos definir a logística tributária como um método de gestão empresarial, que aproveita a legislação de um município, estado ou país para oferecer à companhia uma gestão de impostos mais econômica. 

Em outras palavras, ela mapeia e procura oportunidades vantajosas para seu empreendimento, otimizando os processos operacionais e logísticos da companhia.

A partir daí, o gestor passa a compreender seus gastos, lucros e faturamento. Em paralelo, é possível diminuir custos, aproveitar créditos fiscais e impedir ocorrências em autuações. 

Para isso, é preciso estudar as legislações tributárias de cada cidade, benefícios fiscais e isenções garantidas pelo governo. 

Quer saber mais? Assista: 

Quais são os benefícios da logística tributária? 

A logística tributária é uma ótima ferramenta para otimizar a gestão empresarial de pequenas, médias e grandes empresas. 

Não há como negar que a carga tributária é bastante alta no Brasil e oscila de uma cidade para outra e de um estado para outro. 

Logo, compreender as legislações de cada região ajuda a economizar essas despesas. 

Para adquirir esse benefício, é necessário fazer um estudo detalhado para escolher o regime tributário que ofereça a menor carga de impostos. 

Precisa validar muitas notas fiscais?

Consulte em massa todas as notas fiscais de produto emitidas no Brasil!

Para auditorias, transportes e CT-es
Plugue no seu sistema ou aplicativo e tenha todas as notas em mãos
Teste agora

Compreender quanto um empreendimento custa em um determinado município possibilita uma operação mais estratégica para o gestor fiscal. 

Quais tributos são cobrados na área da logística?

A seguir, explicamos os principais tributos na logística. Confira: 

1- IRPJ

Começamos pelo básico: o Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas. Ele é obrigatório para todas as companhias com sede no Brasil e que disponham de cadastro jurídico (CNPJ). 

Esse imposto é calculado a partir dos rendimentos e ganhos da empresa. O custo é 15% do lucro arbitrado, presumido ou real. Adicionalmente, pode ser aplicada uma alíquota de 10% sobre o lucro que ficar acima de R$ 20 mil por mês.

Para as transportadoras que se encaixam ao Simples Nacional, a arrecadação é simplificada. 

Aliás, você pode aproveitar os incentivos fiscais para deduzir parcelas do imposto de renda. 

Para isso, é preciso investir em projetos culturais, atividades esportivas, pesquisa tecnológica, desenvolvimento regional e assim por diante. 

2- ICMS 

É o Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que recai sobre a operação de produtos, bens e valores, assim como sobre a prestação de serviços, inclusive de transporte intermunicipal e interestadual. 

Para tal finalidade, você deve registrar as operações no Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e). 

Esse é um dos documentos vitais no transporte de cargas e simplifica a comprovação das atividades da transportadoras e o recolhimento dos tributos. 

A alíquota, por sua vez, é definida por cada estado ou ente da federação, sob a condição de que não exceda o limite estabelecido na legislação. 

Um ponto positivo é que esse imposto pode ser diminuído ou, inclusive, não ser devido em determinadas situações. Como assim? Explicamos: 

A isenção do ICMS é garantida para o transporte de produtos cujo o intuito é promover a cultura, educação ou saúde, como livros e itens hospitalares. 

Contudo, antes de colocar a operação em prática, informe-se sobre as leis da sua região. 

 👉 Fique atento: a Comsefaz (Comitê Nacional dos Secretários da Fazenda dos estados e do DF) informou que os governadores devem aumentar em quatro pontos percentuais a alíquota em 2023. 

3- INSS

Entre os tributos na logistica mais conhecidos está a contribuição para a Previdência Social. 

A proposta desse imposto é recolher recursos para a previdência e assegurar benefícios para os colaboradores, como salário-maternidade e auxílio-doença. 

Esse valor é descontado diretamente na folha de pagamento dos colaboradores da transportadora. 

Porém, a retenção do INSS para motoristas autônomos é aplicada a cada pagamento de frete contratado, sendo a base do imposto de 20% do valor do frete.

4- IPI

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), por sua vez, está presente em qualquer mercadoria industrializada, seja nacional ou importada. 

Seu custo é calculado a partir dos valores dos produtos, seguros, fretes e outros gastos. O valor pode sofrer desconto, o que depende da natureza do produto transportado. 

Entretanto, mesmo os itens com alíquota zero devem ser destacados na nota fiscal da carga, ok? 

Quer saber mais? Assista:

5- CSLL

Entre os impostos federais está a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Aqui, a tarifa depende do tipo de regime de tributação da companhia e é calculada de acordo com o lucro obtido. 

No caso do transporte de cargas, a quantia aplicada é de 12% da receita bruta proveniente da prestação de serviços.

6- Pis/Pasep

Caminhoneiros devem redobrar a atenção com o Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). 

O objetivo dessa taxa é garantir benefícios para os funcionários, como o abono salarial, o FGTS e o seguro-desemprego.

Via de regra, a porcentagem do imposto oscila entre 0,65% a 1,65% do faturamento da empresa. 

Para descobrir qual é a quantia devida é imprescindível ficar atento ao tipo de regime tributário do seu negócio. 

7- Cofins

Para financiar a previdência social, temos ainda a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), que é originária do faturamento do negócio. 

O imposto é pago todos os anos e é correspondente ao regime de tributação da transportadora. 

Nota-se que o montante da taxa oscila de 3% a 7,6%, salvo os casos de companhias que escolheram o Simples Nacional. 

Aliás, separamos este vídeo que ensina o que é cofins e como é feita a cobrança, confira: 

8- ISS

Adicionalmente, temos ainda o Imposto sobre Serviços (ISS), que é calculado sobre qualquer serviço prestado dentro de uma única cidade, inclusive o transporte de alimentos e outras cargas. 

Como essa taxa é municipal, o percentual é estabelecido por cada região. A alíquota gira em torno de 2% e 5% do valor cobrado pelo serviço.

9- ISS 

Fechamos a nossa lista de tributos na logística com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Aqui, a tributação é feita anualmente sobre o valor do veículo de uma empresa, o que inclui caminhões e caminhonetes. Cada estado define a sua própria alíquota. 

Para completar o conteúdo, separamos nossos melhores artigos sobre tributos na logística, veja só: 

Como economizar com a logística tributária? 

Economizar com tributos na logística é vital para manter a operação em dia e sem problemas financeiros. 

Abaixo, você confere duas medidas que podem te ajudar neste processo:

  • Recuperação de crédito tributário: é o resgate de créditos tributários que foram acumulados ao longo de um determinado período, quitados a mais ou indevidamente. Isto é, um tipo de reembolso de impostos, taxas e contribuições;
  • Benefícios e incentivos fiscais: são medidas legais concedidas pelo governo a negócios, garantindo isenção de parte dos tributos, proporcionando uma folga no fluxo de caixa

Tudo certo com os tributos na logística? 

Nem sempre é fácil controlar os impostos na logística, por isso, é vital contar com o apoio de determinadas tecnologias para otimizar processos e liberar tempo para ações mais estratégicas. 

Um bom exemplo de investimento é a NFE.io, que reduz o tempo e a complexidade gastos com emissão de notas fiscais e consulta de dados. 

Dessa maneira, você ganha performance, tempo e dinheiro. 

Parece interessante? 

Fale com um especialista em nosso site e foque no seu negócio, deixando a parte burocrática com o governo, sob responsabilidade de uma equipe altamente qualificada e preocupada com o seu negócio. 


Quer receber mais conteúdo de graça?

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de empreendedorismo.

Comente

Deixe seu comentário abaixo. O seu e-mail não será divulgado.


Salvar meu nome e e-mail para os meus próximos comentários.
Ao clicar em comentar, você declara que aceita a nossa política de privacidade.

Está cansado de emitir as notas fiscais da sua empresa uma por uma?

Sabemos que é um processo muito chato e repetitivo. Você não precisa mais gastar tempo com isso, sabia ?

QUERO GANHAR TEMPO
x