12 tipos de estoque: como usar cada um deles para um gerenciamento otimizado

Tempo de leitura: 10 minutos

Se alguém te perguntasse agora quantas mercadorias de certo tipo você tem em estoque, você seria capaz de responder?

Saber fazer a gestão de estoque é muito importante. Sem, isso, como decidir se é hora de pedir mais mercadorias ou, ao contrário, de cancelar pedidos? Como definir se seu estoque deve ser maior ou menor, em certos meses do ano?

E para empresas que atuam no mercado varejista, o estoque é parte vital do negócio. Afinal, é nele que ficam armazenadas todas as mercadorias que serão comercializadas.

Por isso, conhecer quais os tipos de estoque pode ser de grande ajuda para o empreendedor.

Precisa de uma ferramenta simples para controlar a Inadimplência?

Baixe gratuitamente nossa planilha de controle de inadimplência e facilite sua vida!

Controle quem são os devedores.
Utilize essa ferramenta gratuitamente, te enviaremos um presente surpresa
Quero a planilha

Existem diferentes tipos de controle de estoque que se refletem a organização e a estrutura da empresa. A escolha do tipo mais adequado vai depender do seu modelo de negócio e das suas necessidades específicas.

Escolher quais os tipos de estoque que mais combinam com a sua empresa é essencial para que não sobre demais nem falte produtos. O que pode impactar negativamente seus resultados.

Neste artigo, você vai conhecer quais são os principais tipos de estoque existentes e como cada um deles pode te ajudar a gerenciar melhor suas mercadorias.

Leia também: Como fazer gestão de estoque: 5 dicas para melhorar o gerenciamento de mercadorias e manter sua empresa sempre abastecida

12 principais tipos de estoque

Os tipos de estoque traduzem, na verdade, os tipos de controle de estoque usados em sua empresa. Dependendo do seu ramo de atuação, alguns farão sentido e outros não.

Por isso, fique atento aos tipos de inventário de estoque apresentados neste texto, entenda suas características e utilidades e defina quais deles deverá usar em seu negócio para alcançar os melhores resultados.

Isto é: nem comprar demais e ter custos de estocagem desnecessários, nem comprar de menos e ter falta de mercadoria em estoque para abastecer os pontos de venda. O que significa perda de receita e decepção para seus clientes!

Fazer tudo isso parece uma tarefa muito difícil?

Estude os tipos de estoque existentes que talvez essa missão fique mais fácil para você!

Leia mais: Aplicativos financeiros para empresas? Caixa, estoque e fluxos sob controle!

Antes de ver em detalhes cada um dos tipos de estoque, confira um resumo:

tipos de estoque

1 – Estoque sazonal

Também chamado de estoque de antecipação.

Este é considerado um dos tipos de controle de estoque mais comuns no varejo. O estoque sazonal é usado por empresas que querem se manter abastecidas em períodos de maior demanda.

Aqui, o empresário consegue prever tendências do mercado com base em experiências passadas. Ou seja, é possível antecipar o estoque com base nas épocas do ano em que o produto que a empresa comercializa é mais procurado.

Uma fábrica de chocolates, por exemplo, pode ter um estoque sazonal para atender as demandas da Páscoa. Ou uma papelaria que antecipa seu estoque para os períodos de volta às aulas.

Ou seja, a gestão de estoque sazonal é um investimento que o empresário faz para estocar determinados produtos com antecedência, já contando que futuramente a demanda será maior.

2 – Estoque de segurança

Neste tipo de estoque, existe uma margem de segurança com mercadorias a mais para evitar perder vendas.

O objetivo aqui é conseguir atender demandas que superem o prazo de reabastecimento do estoque.

Esse tipo de controle é bastante útil, por exemplo, para casos em que o fornecedor atrasa a entrega ou quando há um surto de demanda.

Com o estoque de segurança, é possível atender melhor o cliente e evitar perder vendas.

3 – Estoque consignado

O estoque consignado acontece quando o varejista coloca o seu produto para vender em outro estabelecimento.

Esta modalidade é boa para ambas as partes. Afinal, por um lado, o consignante consegue aliviar seu espaço de estocagem; por outro, o consignatário pode vender as mercadorias sem o custo de aquisição, repassando apenas uma porcentagem da venda para o consignatário.

As mercadorias do consignante continua pertencendo a ele, sendo devolvida caso o consignatário não conseguir vendê-las.

Um exemplo de estoque consignado pode ser observado nas grande lojas de roupa, como Renner, Riachuelo e C&A, que vendem peças de diferentes marcas.

Este post também pode interessar a você: Dicas de controle de estoque: confira 7 e veja a importância dessa prática para os negócios

4 – Estoque inativo

O estoque inativo é aquele que sobrou. Muitas vezes, aquele que saiu de moda, que ficou obsoleto, que encalhou. O que fazer quando isso acontece?

Existem algumas estratégias que venda que você pode adotar, como liquidações, promoções, sorteios ou, dependendo do produto, guardá-lo para a próxima temporada.

No entanto, tenha cuidado para não oferecer preços muito baixos. Pois pode ser ruim para a imagem e credibilidade do seu negócio.

5 – Estoque cíclico

Continuando nossa lista de tipos de estoque, temos um dos mais difíceis de gerenciar. Ele se aplica a empresas que precisam abastecer seus estoques com produtos diversificados e com ciclos de venda diferentes.

O estoque cíclico requer muita atenção para não perder por excesso nem deixar de vender por que o produto está indisponível.

Se, por exemplo, a sua empresa trabalha com os produtos X, Y e Z, os três não podem ser fabricados de forma simultânea. No entanto, a comercialização ocorre ao mesmo tempo.

Nesse sentido, o ciclo de produção deve ser programado em consonância ao período de vendas para atender a demanda. Assim, as vendas não são prejudicadas.

6 – Dropshipping

Encerrando a nossa lista de tipos de controle de estoque, temos o dropshipping.

Ele é muito utilizado por empresas de e-commerce. Aqui, o estoque na verdade não existe. A mercadoria só é solicitada ao fornecedor quando o consumidor faz o pedido.

Uma loja virtual de camisetas, por exemplo, pode optar pelo dropshipping e fabricar seus produtos sob encomenda. Ou seja, em vez de manter um estoque com várias camisetas, elas só serão fabricadas a partir da confirmação do pedido do cliente.

A ordem de serviço, então, é encaminhada diretamente para o fornecedor que, por sua vez, realiza o envio do produto para o cliente.

Confira este vídeo do Prof. Luciano Augusto sobre dropshipping:

Veja também: As 5 principais ferramentas para gestão de estoque que você precisa conhecer

7 – Estoque isolador

Chamado por alguns de estoque proteção e também de estoque de contingência, é usado para uma precaução extra, além da que se tem com o estoque se segurança.

Assim, o estoque isolador é usado em empresas que sabem que podem sofrer uma falta de abastecimento repentino acima da média de outros setores. Por exemplo: empresas que trabalham com um produto ou insumo exclusivamente importado podem adotar o estoque isolador para se certificar que poderão atender as demanda mesmo se ficarem desabastecidas por longos períodos.

8 – Estoque regulador

Empresas que tem várias filias e contam com um centro de distribuição podem usar um estoque central regulador. Assim não precisam de um espaço tão grande de armazenagem nas filiais, o que gera menos custos.

Dessa forma, é preciso ter um bom controle dos estoques nas filias e manter um estoque maior no centro de distribuição. Com isso, pode-se manter um estoque regulador menor do que seriam os estoque somados de todas as filias.

9 – Estoque em trânsito

Também chamado de estoque de canal.

Quando uma empresa faz um pedido para seu fornecedor, essas mercadorias são embarcadas e levam algum tempo para chegar até seus estoques. No entanto, mesmo enquanto estiverem a caminho, já são consideradas parte do estoque.

Por isso, devem ser incluídas nos inventários da empresa sob o nome de estoque em trânsito.

10 – Estoque mínimo

Trata-se do nível de estoque que levará a empresa a fazer um novo pedido aos fornecedores para evitar ficar sem as mercadorias para venda. Por isso, esse nível de estoque também é conhecido como ponto de ressuprimento.

11 – Estoque médio

Trata-se de um indicador de estoque. Seu cálculo é feito somando-se o nível de estoque apurado ao final de cada período (por exemplo, ao final de cada mês) e dividindo-se pelo número de períodos (por exemplo, 12 meses).

Veja esta cálculo hipotético:

Nível dos estoque em unidades ao final de cada mês:

  • Janeiro: 1.000
  • Fevereiro: 1.200
  • Março: 1.500
  • Abril: 900
  • Maio: 1.100
  • Junho: 1.200
  • Julho: 1.000
  • Agosto: 1.000
  • Setembro: 1.100
  • Outubro: 1.000
  • Novembro: 900
  • Dezembro: 1.300

Somando todos esses níveis de estoque ao final de cada mês, temos: 13.200 unidades.

Assim, o estoque médio anula será de 13.200 / 12 = 1.100 unidades

Veja mais sobre estoque médio neste vídeo da Bluesoft:

12. Estoque máximo

O estoque máximo é definido, normalmente, em função da capacidade de armazenagem. Isso porque caso cheguem mais mercadorias, não será possível estocá-las. Portanto, quando se atingir o estoque máximo, os pedidos devem ser cancelados.

Caso contrário as mercadorias podem se estragar por falta de armazenamento adequado ou até mesmo serem extraviadas.

Quer mais alguma dicas sobre os tipos de inventário de estoque existentes? Então. confira este vídeo da Armazém Logística:

Conclusão: para cada empresa, a escolha dos tipos certos de estoque faz a diferença

Esses foram os 6 principais tipos de estoque. A recomendação é que você avalie qual tipo é mais adequado para o seu modelo de negócio.

Lembre-se de que a forma com que você armazena sua mercadoria pode ser determinante para a sua estratégia de venda e para os seus resultados.

Saiba mais: O que é gestão de estoque e porque ela é importante para os resultados da sua empresa

Como um gerenciador de notas fiscais pode ajudar no controle de seu estoque?

Se você tem todas as notas de entrada e saída arquivadas eletronicamente, então, sabe exatamente o que tem em estoque!

Com o NFE.io, além do cálculo automático e emissão das notas fiscais, você conta com um painel de controle das notas fiscais. Assim, fica muito mais fácil controlar a entrada e saída das mercadorias de seu estoque.

Veja outras vantagens desse gerenciador de notas fiscais:

  • Você pode usar mais de uma empresa em sua conta, o que permite até usar o modo de revenda;
  • Certificado Digital: a NFE.io é compatível com o certificado digital e-CNPJ A1;
  • Faz consultas automatizadas a CPF e a CNPJ; 
  • Guarda suas notas fiscais em local seguro na nuvem automaticamente;
  • Dá desconto na hora de tirar o certificado digital;
  • Fácil de integrar via API com outros sistemas, como seu app financeiro, por exemplo;
  • Os arquivos XML e HTML são gerados e enviados aos clientes por e-mail;
  • Reenvio de notas automático caso o site da prefeitura esteja fora do ar;
  • Você pode emitir notas fiscais de vários CNPJs para diferentes municípios sem sair do sistema.

E essa é apenas uma de muitas de suas vantagens. Quer saber mais sobre o NFE.io? Então, marque uma conversa agora mesmo!

Quer crescer o faturamento do seu curso?

Veja os 4 Conhecimentos que você precisa ter para transformar sua escola em um negócio online de alta gestão

Prepare-se para crescer
Te ajudamos a crescer e otimizar o seu negócio!
Preciso desse conhecimento


Quer receber mais conteúdo de graça?

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de empreendedorismo.

Comente

Deixe seu comentário abaixo. O seu e-mail não será divulgado.


Salvar meu nome e e-mail para os meus próximos comentários.
Ao clicar em comentar, você declara que aceita a nossa política de privacidade.

Está cansado de emitir as notas fiscais da sua empresa uma por uma?

Sabemos que é um processo muito chato e repetitivo. Você não precisa mais gastar tempo com isso, sabia ?

QUERO GANHAR TEMPO
x