CIOT: entenda o que é, e saiba como emitir

Tempo de leitura: 6 minutos

Quem trabalha com transporte de cargas já ouviu falar em CIOT. Ainda mais que desde 2020 ele passou a ser obrigatório para uma quantidade bem abrangente de setores do transporte rodoviário.

Entretanto, apesar dessa realidade, muitos caminhoneiros autônomos, bem como pequenas transportadoras não têm contato com o termo, e só vão descobrir sobre ele quando são multados.

Por isso, fizemos esse artigo para ajudar você a não sofrer essa penalidade. Nele vamos mostrar o que é o CIOT, sua importância e como emiti-lo. Boa leitura!

Está cansado de emitir suas notas fiscais uma por uma?

Na NFE.io é possível se livrar dessas tarefas repetitivas através de integrações com meios de pagamento, plugins, planilha do excel ou conectando diretamente com a nossa API.

Quer entender como funciona?
Converse com a nossa equipe especializada para livrar a sua empresa da burocracia!
Quero otimizar meu tempo

O que é CIOT?

CIOT é a sigla de Código Identificador da Operação de Transporte que nada mais é que uma série de números emitido através de um cadastro da operação de transporte na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

A sua principal finalidade é fiscalizar e regulamentar o pagamento dos valores do frete referente à prestação do serviço de um transporte rodoviário de cargas.

Em vista disso, o código é gerado para cada operação contratada. Vale dizer que o CIOT entrou em vigência em 2011 em substituição à carta frete.

Até então era esse o documento utilizado por transportadores autônomos de carga, e funcionava como uma espécie de nota promissória.

Com o objetivo de aumentar ainda mais a segurança nas transações envolvendo o transporte de cargas, em 2019 a ANTT instituiu a Resolução nº 5.862 que alterou alguns parágrafos sobre o CIOT.

Foi a partir de então que surgiu o termo CIOT para todos, que reafirma a obrigatoriedade do código para as prestações de serviço de transporte de cargas.

Leia também:

Como funciona o CIOT?

CIOT

O CIOT é usado pela ANTT para fiscalizar os serviços de fretes que são realizados no Brasil, independentemente se eles forem intermunicipais, interestaduais ou no mesmo território.

Desde o dia 15 de abril de 2020 ele tornou-se obrigatório para toda empresa de transporte, e por isso quem ainda não gera o código em cada operação pode enfrentar dificuldades.

Vale apontar que o código é gerado online e precisa ser inserido no contrato de prestação de serviço de quem está fazendo o transporte da carga. Nos casos de subcontratação, é necessário que o código apareça no Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e). 

Qual a importância do CIOT para as transportadoras?

O CIOT permite que tanto as transportadoras quanto os motoristas autônomos atuem com mais segurança em relação ao recebimento do pagamento pelo serviço prestado.

Nota fiscal emitida em massa via excel?

Na NFE.io você conta com emissão de notas fiscais de serviço em massa via Excel. O que acha?

Emita muitas NFS-e sem burocracia!
Disponibilizamos para você a alternativa de emitir via excel, de forma simples, rápida e eficiente.
Experimente gratuitamente!

Ele também oferece mais controle em relação aos pagamentos, e a certeza de que o serviço está sendo feito de acordo com a própria legislação.

Um outro benefício é que o contratante ou subcontratante controla os pagamentos com mais governança e os órgãos públicos fiscalizam com mais precisão os serviços de frete.

Além disso, tem-se mais transparência acerca das informações de contrato e pagamento. De modo geral, são muitos os benefícios.

Quem deve emitir o CIOT?

De acordo com a própria legislação da ANTT, o responsável pela geração do CIOT é o contratante do serviço de transporte rodoviário de cargas.

Nesse sentido, a responsabilidade da emissão do código recai sobre os embarcadores, bem como as empresas de transporte que contratam um transportador autônomo para fazer o serviço.

Desse modo, pode-se afirmar que a emissão do CIOT é obrigatória sempre que houver uma contratação ou subcontratação.

Isso se dá tanto para o Transportador Autônomo de Cargas (TAC) quanto para as Cooperativas de Transporte Rodoviário de Cargas (CTC).

A contratação de Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas que possuem até três veículos inscritos no Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas (RNTRC) também necessita do CIOT.

CIOT é gratuito?

Um dos pontos que é importante deixar claro é que a emissão do CIOT é gratuita. Assim sendo, não são cobradas taxas pela emissão do código.

Entretanto é preciso ficar atento a algumas questões. Só para citar um exemplo, existem administradoras de pagamento eletrônico que não cobram taxa caso o frete seja pago via depósito em conta corrente.

Todavia, se o pagamento for feito pelo cartão de crédito, é possível que incida-se uma cobrança adicional. Nesse sentido, é fundamental conferir com antecedência se há algum tipo de cobrança nesse caso.

Quando o CIOT deve ser gerado?

O código é único e por isso precisa ser emitido a cada contrato de frete, sendo que ele precisa constar no Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (DAMDFe).

Então, sempre que ocorrer uma contratação de serviços de transporte rodoviário, o CIOT precisa ser gerado. Só não é obrigatório a geração do código quando o transporte for feito por motoristas próprios contratados pela CLT.

Como emitir o CIOT?

Há duas formas de emitir o código. Uma é fazendo uma consulta manual a IPEF e a outra é usando um sistema integrado a uma IPEF.

Consulta manual

Se a intenção é gerar um CIOT de forma manual, é preciso passar para a instituição diversas informações referentes à operação de transporte como:

  • Dados do contratado como razão social, CPF ou CNPJ, conta bancária e RNTRC (Registro Nacional de Transporte Rodoviário de Carga);
  • Informações do contratante como nome, denominação social, CPF ou CNPJ e endereço;
  • Dados da carga: natureza e quantidade em unidade de peso;
  • Informações do veículo: placas e números do RNTRC.
  • Dados de viagens como o CEP de origem e destino, bem como a distância percorrida.

Lembrando que são aceitos até 5 placas por operação de transporte, e logo após a confirmação de dados o IPEF retorna com o CIOT gerado que deverá ser informado na emissão do MDFe.

Sistema integrado

Há a alternativa de gerar o CIOT por meio de um sistema integrado. Mas é preciso destacar que ele é válido apenas para transportadoras. Mas essa é uma forma bem mais simples e rápida de obter o código.

Além do CIOT, um sistema integrado permite a geração automática de notas fiscais. E uma das alternativas de sistema que gera notas fiscais automaticamente é o NF.io.

Portanto, se você quiser saber como funciona o sistema, bem como ele ajuda na automatização da sua empresa, entre em contato conosco e saiba mais sobre essa solução.


Quer receber mais conteúdo de graça?

Assine nossa newsletter para ficar por dentro das novidades de empreendedorismo.

Comente

Deixe seu comentário abaixo. O seu e-mail não será divulgado.


Salvar meu nome e e-mail para os meus próximos comentários.
Ao clicar em comentar, você declara que aceita a nossa política de privacidade.

Está cansado de emitir as notas fiscais da sua empresa uma por uma?

Sabemos que é um processo muito chato e repetitivo. Você não precisa mais gastar tempo com isso, sabia ?

QUERO GANHAR TEMPO
x