Nota Fiscal Eletrônica, gestão empresarial e meios de pagamento – Blog Nfe.io
Nota Fiscal Eletrônica, gestão empresarial e meios de pagamento – Blog Nfe.io

Conheça os cálculos por trás de exemplos de planejamento tributário

Quer conhecer exemplos de planejamento tributário? Veja como essa ação finalmente pode te fazer reduzir tributos de forma legal na empresa.

Gabriel MarquezGabriel Marquez

Você já pensou em colocar o planejamento tributário como uma prioridade para sua empresa?

Além de simplificar o entendimento e o pagamento de impostos do seu negócio, a ação pode reduzir custos importantes.

Veja abaixo alguns exemplos de planejamento tributário que separamos para você!

Exemplos de planejamento tributário

Viemos falando sobre planejamento tributário aqui no blog algumas vezes. Já separamos as 10 dicas de planejamento tributário para você se preparar, os 3 tipos de planejamento tributário possíveis e até mesmo como fazer.

Mas agora é hora de te dar exemplos de planejamento tributário reais e que funcionam para as empresas.

Primeiramente, é importante saber que todo planejamento tributário começa com simulações. Elas te fazem entender melhor sobre os impostos em diferentes regimes tributários – seja pelo Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido.

Assim, dependendo das comparações e os valores finais, você pode optar por uma alternativa ou outra.

Que tal irmos para os cálculos na prática? Os exemplos de planejamento tributário a seguir mostram como esse processo se inicia.

Lucro Presumido

Vamos supor que a sua empresa quer iniciar o ano optando pelo Lucro Presumido como regime tributário.

Como sabemos, existem alíquotas definidas para calcular o Imposto de Renda para Pessoas Jurídicas (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) – dois tributos obrigatórios e, geralmente, de maior peso para a empresa.

O IRPJ cobra 15% sobre o lucro da companhia e 10% sobre o adicional – nos casos em que ultrapassa R$ 20.000 mensais. Já a CSLL tem alíquota de 9% sobre o lucro/a base de cálculo.

Exemplo:

  • A receita da sua empresa no trimestre foi de R$ 5 milhões (5.000.000).
  • A despesa no período foi de R$ 3 milhões (3.000.000).
  • Por ser uma prestadora de serviços, sua base de cálculo deve multiplicar o faturamento do período com 32%.

Ou seja:

5.000.000 x 32% = R$ 1.600.000 (base de cálculo)

O cálculo do IRPJ seria:

  • 1.600.000 x 15% = R$ 240.000
  • 1.600.000 – 60.000 x 10% = R$ 154.000 (de adicional)
  • Total do IRPJ: R$ 394.000

Importante destacar que esses 60.000 mencionados são referentes ao valor que ultrapassa os R$ 20 mil permitidos por mês. Como a conta é referente ao trimestre, multiplicamos 20.000 por 3, chegando a este número de adicional de 10%.

Com a CSLL, a conta seria:

1.600.000 x 9% = R$ 144.000

Considerando o IRPJ e a CSLL, sua empresa teria a pagar, pelo Lucro Presumido, um gasto de R$ 538 mil (538.000) no trimestre.

Lucro Real

Mesmo caso você tenha o mesmo faturamento e despesas no Lucro Real, as contas já seriam diferentes.

Primeiramente, você precisaria subtrair as despesas das receitas e chegar à base de cálculo de acordo com a legislação e o lucro registrado.

Supondo que R$ 120 mil foram despesas com recibos e R$ 80 mil com receitas não tributáveis, para chegar ao resultado tributável a conta seria de:

5.000.000 (Receitas) – 3.200.000 (despesas) + 120.000 (supondo que foram as adições, despesas com recibos) – 80.000 (as receitas não tributáveis, que devem ser excluídas) = R$ 1.840.000

Você fez as deduções e chegou à base de 1.840.000. As contas para os impostos seriam:

IRPJ

  • 1.840.000 x 15% = R$ 276.000
  • 1.840.000 – 60.000 x 10% = R$ 178.000 (de adicional)
  • Total do IRPJ = R$ 454.000
  • E com a CSLL:
  • 1.840.000 x 9% = R$ 165.600

Considerando o IRPJ e a CSLL, sua empresa teria a pagar, pelo Lucro Real, um gasto de R$ 619,6 mil (619.600) no trimestre.

Neste comparativo, você pode ver que, dependendo do regime tributário escolhido, poderia pagar a mais (ou a menos, no caso do Lucro Presumido) cerca de R$ 80 mil.

Questões importantes do planejamento tributário

Quem se propões afazer a gestão empresarial não pode esquecer do planejamento tributário.

Para isso, você deve levar em consideração alguns fatores importantes. Afinal, dependendo do cenário da empresa, o segmento e mercado em que está inserida, ou seja, as perspectivas deste mercado, os números podem mudar ou ser mais interessantes em uma ou outra opção.

A economia com o planejamento tributário depende do estudo detalhado sobre a empresa, o que inclui todos os impostos que podem incidir sobre ela, seja ISS, ICMS, PIS ou COFINS.

Ainda sobre exemplos de planejamento tributário

O planejamento tributário pode fazer com que a empresa economize com uma estratégia operacional, por exemplo, conforme foi explicado no portal WebArtigos.

Imagine o seguinte cenário: uma empresa no Lucro Real gasta com folha de pagamentos de pessoas que têm atividades não ligadas à operação um total de R$ 200 mil.

O lucro apurado no período foi de R$ 1.000.000 e o faturamento ainda R$ 5.000.000. Com despesas operacionais e custos, o valor foi de R$ 4.000.000.

IRPJ
  • 1.000.000 x 15% = R$ 150.000
  • 1.000.000 – 60.000 x 10% = R$ 94.000 (de adicional)
  • CSLL = 1.000.000 x 9% = R$ 90.000
  • Total com os dois tributos = R$ 334.000

Neste caso, uma ação de planejamento tributário que poderia reduzir o valor gasto com impostos seria, por exemplo, constituir uma holding para prestar serviços à empresa.

Essa holding poderia incluir aqueles funcionários que exerciam as funções não operacionais da empresa, só que nessa outra operação. Com um planejamento tributário, você poderia enquadrá-la no Lucro Presumido para diminuir custos. A alíquota, aqui, seria de 8% sobre o faturamento.

Mesmo que com essa “troca”, essa mudança de estratégia, o faturamento permaneceria igual ao lucro da empresa. Mas deve ser enviado para a holding por meio de uma nota fiscal de serviço.

Se antes as despesas operacionais e custos eram de R$ 4 milhões, o valor poderia, nessa nova configuração, ser diminuído em R$ 200 mil pela transferência desses funcionários para a holding.

Ao mesmo tempo, o lucro desta seria de R$ 1.200.000 em função da despesa a mais pela prestação de serviço.

A conta para essa nova holding seria de:
  • IRPJ: 15% sobre 8% de R$ 1.200.000 = R$ 14.400
  • CSLL: 9% sobre 8% de R$ 1.200.000 = R$ 8.640
  • ISS: 5% sobre faturamento = R$ 60.000
  • PIS e COFINS: 3,65% sobre faturamento = R$ 43.800
  • Total de impostos com a holding = R$ 126.840

O total de impostos, neste caso, gerou uma economia de mais de R$ 207 mil. Assim, se subtrairmos os 334.000 pelos 126.840.

Portanto, a ação, aqui, foi criar uma holding operacional. Com isso, de mais de 6% do total de tributos sobre o faturamento, o valor baixou para cerca de 4%.

Quer mais algumas dicas rápidas de planejamento tributário? Então, confira este vídeo do escritório Giugliani Advogados:

Faça um planejamento tributário!

Existem inúmeros exemplos de planejamento tributário que podem ser feitos de forma personalizada para sua empresa.

Esta é uma opção legal (perante à Lei) para você reduzir custos com altas cargas tributárias.

Nada de sonegação fiscal! Segundo o portal Quanto Custa o Brasil, o Brasil perdeu mais de R$ 330 bilhões com sonegação apenas no ano de 2018. Faça diferente.

Afinal, você pode diminuir custos e ainda assim deixar todas as suas obrigações tributárias em dia! Basta ter calma para analisar, colocar as contas no papel e, claro, contar com sistemas e profissionais especializados no assunto!

Um software de gerenciamento de notas fiscais pode ajudar

Automatize o cálculo, emissão, geração de arquivos HTML e XML e o envio por e-mail para seus clientes de suas notas fiscais e, assim, facilite a gestão tributária de seu negócio.

Para isso, use um software como NFe.io que, entre outras vantagens, proporciona:

Veja também: Gerenciador de nota fiscal eletrônica: conheça o NFe.io

Empreendedor e Fundador da NFe.io e outras startups. Focado em ajudar empreendedores a escalar seus negócios. Interessado? Marque um papo!
Comments 0
There are currently no comments.